Anemia na gravidez: conheça as causas e sintomas

A anemia é um problema relativamente comum na gravidez. Segundo dados do Banco Mundial de 2014, a taxa de anemia gestacional no Brasil situa-se nos 32%, enquanto que em Portugal ronda os 26%. Já nos países africanos de língua Portuguesa, a prevalência varia entre os 48% e os 50%.

Anemia gestacional: tipos de anemia

Anemia na gravidez: tipos de anemia
Foto: Adobe Stock

A anemia gestacional é causada por um défice nutricional e pode ser subdividida em três tipos, conforme seja causada por défice de ferro, vitamina B12 ou ácido fólico.

Anemia ferropriva na gravidez

De todos os tipos de anemia, a anemia ferropriva é a mais comum durante gravidez e é causada por uma deficiência de ferro, que por sua vez causa uma produção insuficiente de hemoglobina.

Este tipo de anemia é motivada pelo aumento da produção de glóbulos vermelhos, necessário para sustentar o crescimento dos tecidos do feto e da placenta. Se não houver uma suplementação de ferro durante a gravidez, o corpo não conseguirá produzir hemoglobina em quantidade suficiente, resultando num défice de oxigênio nos tecidos, o que poderá provocar problemas de crescimento do feto.

No entanto, este tipo de anemia é facilmente tratável com a prescrição de suplementos de ferro que permitirão restabelecer a produção de hemoglobina, normalizando os níveis de glóbulos vermelhos necessários ao crescimento do bebê.

Anemia perniciosa

A anemia perniciosa é menos comum do que a anemia ferropriva, e ocorre devido a um défice de de vitamina B12, uma vez que esta vitamina desempenha um papel importante na produção de glóbulos vermelhos.

Além de causar este tipo de anemia, o défice de vitamina B12 tem outras consequências negativas, como o aumento do risco de malformações congênitas, nomeadamente defeitos no tubo neural, ou ainda parto prematuro.

Anemia megaloblástica

Tal como a anemia perniciosa, a anemia megaloblástica é menos comum do que a anemia ferropriva, tendo sua origem na carência de ácido fólico (vitamina B9), que provoca uma menor produção de células sanguíneas, resultando numa menor oxigenação dos tecidos e restrição do crescimento do feto.

Tal como o défice de vitamina B12, o défice de ácido fólico pode ainda resultar em malformações congênitas e parto prematuro.

Sintomas de anemia

Independentemente do tipo de anemia, os sintomas provocados são comuns e relativamente fáceis de detectar:

  • Palidez (na pele, lábios e unhas)
  • Fraqueza e cansaço constantes
  • Tonturas
  • Dificuldade de concentração
  • Dificuldade em respirar ou falta de ar
  • Taquicardia (pulso acelerado) ou palpitações (batimentos cardíacos perceptíveis)

Fatores de risco para o desenvolvimento de anemia

Devido a fatores fisiológicos ou nutricionais, algumas mulheres têm maior propensão para desenvolver anemia durante a gravidez. Entre os principais fatores de risco estão:

  • Gravidez de gêmeos ou múltipla: As necessidades de ferro e nutrientes essenciais são mais elevadas no caso de uma gravidez múltipla, o que faz aumentar o risco de anemia.
  • Intervalo reduzido entre duas gestações consecutivas: Um menor tempo de recuperação entre duas gestações reduz as reservas de ferro, o que pode resultar em anemia.
  • Vômito devido a enjôo: O vômito dificulta a absorção de nutrientes, podendo resultar em anemia se for demasiado frequente.
  • Dieta pobre em ferro: Uma dieta pobre em ferro poderá causar anemia se as reservas de ferro não forem respostas.
  • História de anemia prévia: A tendência para desenvolver anemia pode resultar num risco acrescido durante a gravidez, devido à maior exigência de produção de hemoglobina.
  • Gravidez na adolescência: Devido ao fato de estar ainda em fase de crescimento, existe uma maior chance de uma adolescente desenvolver anemia durante a gravidez. Além disso, a alimentação de baixo valor nutricional que é comum em muitos adolescentes, pode contribuir também para o desenvolvimento do problema.
Mulher recebendo dignóstico médico
Foto: Bigstock.com

Diagnóstico da anemia

O diagnóstico é feito através de análises ao sangue que permitem avaliar os níveis de hemoglobina e o número de glóbulos vermelhos. Se estes valores estiverem abaixo do normal, existe um quadro de anemia.

<

Estas análises de sangue são normalmente feitas ao início da gravidez, mesmo que não haja suspeita de anemia e repetidas a cada trimestre.

Como tratar a anemia na gravidez

A anemia é tratada através de suplementação dos nutrientes em falta. No caso da anemia ferropriva, será receitado um suplemento de ferro, enquanto que na anemia perniciosa e megaloblástica serão receitados respectivamente suplementos de vitamina B12 e de ácido fólico.

Para controlar a eficácia dos suplementos, o seu médico irá também prescrever novas análises de sangue de forma a determinar se os valores de hemoglobina e glóbulos vermelhos voltaram ao normal.

O seu médico poderá ainda recomendar mudanças na dieta para melhorar os níveis de ferro e outros nutrientes.

Suplementos como forma de prevenção da anemia

Como a anemia na gravidez é bastante comum, os médicos optam normalmente pela suplementação de ferro e ácido fólico durante a gravidez de modo a prevenir tanto a ocorrência de anemia como a de malformações ligadas ao défice de ácido fólico.

Alimentos para prevenir a anemia gestacional

Anemia gestacional: alimentos aconselhados
Foto: Adobe Stock

Além da suplementação prescrita pelo médico, você poderá também melhorar a sua alimentação de forma a aumentar a absorção de nutrientes essenciais.

Alimentos ricos em ferro e vitamina B12:

  • Carne de vaca, carne de aves e peixe
  • Ovos

Alimentos ricos em ferro

  • Espinafres, brócolos e couve
  • Feijão, soja, lentilhas

Alimentos ricos em vitamina B12:

  • Cereais enriquecidos com vitamina B12
  • Proteína de soja enriquecida com vitamina B12

Alimentos ricos em ácido fólico:

  • Fígado bovino
  • Carne de aves
  • Espinafres
  • Feijão e lentilhas
  • Banana, Papaia e Abacate

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Reddit

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *