Como escolher a maternidade?


Qual a melhor maternidade?

À medida que a gravidez avança, é normal que você comece a pensar sobre o melhor local para o nascimento do seu bebê.

Vários blogs dedicados ao tema da gravidez recomendam uma pesquisa exaustiva de todos os serviços disponíveis nas maternidades ou hospitais que você está ponderando escolher.

Claro que se você tiver uma gravidez de alto risco, convém precaver-se ao máximo e quanto mais avançados forem os meios disponíveis, melhor. No entanto, para a maioria das grávidas uma pesquisa exaustiva de todos meios e equipamentos médicos disponíveis na maternidade, só irá servir para aumentar o estresse, sem trazer grande vantagem para o bem estar da mãe ou do bebê, pois afinal estamos falando de gravidez de baixo risco.

É importante seguir a recomendação do seu médico

O seu obstetra é um profissional qualificado e recomendará a você a maternidade que considera mais adequada ao seu caso. Se a sua gravidez for de alto risco, certamente será encaminhada para uma maternidade com todos os meios necessários, incluindo UTI neonatal e outros recursos adequados para lidar com complicações decorrentes da gravidez.

Se você planeia fazer seu parto numa maternidade do SUS, ou no SNS no caso de você viver em Portugal, poderá não ser muito fácil ser encaminhada para a sua maternidade preferida. No entanto, se você tiver preferência por uma maternidade ou hospital converse abertamente com o seu médico sobre a possibilidade de ser encaminhada para lá.

Se você tiver um plano de saúde, a escolha de maternidade é bem mais fácil. Investigue quais as maternidades e hospitais que tem convênio com o plano de saúde e informe-se sobre as coberturas. Fale depois com o seu médico e acerte os detalhes do parto no hospital mais indicado para o seu caso.

Conheça a maternidade antes do parto

Com um plano de saúde você terá  maior liberdade de escolha em relação à maternidade, por isso tente conhecer as opções disponíveis algum tempo antes do parto. Procure também opiniões de outras pessoas que utilizaram essas maternidades, isso lhe dará uma sensação de maior segurança quando chegar a altura de escolher.

No caso de você fazer o parto no sistema público, tente informar-se acerca do hospital e peça a opinião do seu médico em relação ao mesmo.

Atualmente, as maternidades públicas tem padrões de qualidade semelhantes às privadas e há uma tendência crescente para a humanização dos cuidados perinatais, com maior contato entre a mãe e o bebê, menos restrições a acompanhantes e outras práticas que promovem um maior conforto da grávida, como fisioterapia e massagem para diminuição da dor. Além disso, se os cuidados humanizados são uma prioridade para você, em alguns estados do Brasil existe a opção de ter o bebê numa casa de parto.

Não tenho plano de saúde, meu bebê corre mais riscos?

Não, o fato de não ter seguro de saúde não quer dizer que sua gravidez vá ser tratada de forma diferente ou que o seu bebê tenha cuidados de menor qualidade.

Os hospitais e maternidades públicas tem profissionais competentes e serviços de alta qualidade, com os mais recentes equipamentos médicos, como aparelhos de ultrassonografia e tomografia computorizada e UTI neonatal e adulto. Por isso pode ficar tranquila se decidir ter o seu filho no sistema público.

Tenho plano de saúde, será que cobre tudo?

Dependendo do plano de saúde, poderá haver tratamentos e exames que não são cobertos pelo convênio. Procure informar-se das coberturas do seu plano de saúde e confira com o seu médico tudo o que vai ser necessário para o nascimento do seu bebê.

Posso ter o meu bebê em casa?

Apesar de ser cada vez mais popular entre os defensores do parto humanizado, o parto domiciliário continua sendo um tema controverso, pois embora alguns estudos o considerem como uma opção válida para casos de gravidez de baixo risco, a sua prática é desaconselhada pela Febrasgo (Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia).

O maior problema com o parto domiciliário é a inexistência de um sistema que permita a coordenação entre enfermeiras, obstetras e hospitais, o que constitui um problema no caso de surgirem complicações na hora do parto e torna essa opção demasiado arriscada tanto para a mãe como para o bebê.

Casas de parto ou Centros de parto normal

São uma alternativa segura para quem valoriza o parto humanizado. A presença de um médico não é obrigatória nesses centros e os partos são levados a cabo de forma natural por enfermeiros obstétricos.

No entanto, para poder beneficiar desse tipo de acompanhamento, a mulher deverá ser saudável e ter uma gravidez de baixo risco.

Ao contrário do parto domiciliário estes centros beneficiam de uma sistema que permite a coordenação com hospitais e a transferência da gestante em caso de necessidade.

Acima de tudo a segurança

Qualquer que seja a sua escolha, certifique-se que você e seu bebê são acompanhados por profissionais de saúde devidamente qualificados pois qualquer outra escolha poderá colocar a sua saúde e a do seu bebê em risco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.