Engravidar depois dos 35 anos


A gravidez depois dos 35 anos

Nos últimos anos, cada vez mais mulheres vêm adiando o nascimento do primeiro filho. As razões para este adiamento podem ser as mais variadas, podendo ser motivos profissionais e financeiros ou até o simples fato de até esse momento não terem sentido a vontade de ter filhos.

Mas quanto mais tempo passa, maior é a dificuldade em engravidar, devido ao decréscimo progressivo da fertilidade, ao mesmo tempo que aumentam os riscos para a gestante e para o bebê. Por isso, o ideal será planejar sua gravidez de modo que aconteça antes dos quarenta.

Claro que hoje em dia, com os avanços médicos, muitas mulheres têm seu primeiro filho depois dos 35 ou mesmo dos 40 anos, mas os riscos de uma gravidez nessa fase da vida são substancialmente maiores, aumentando o risco de malformações congénitas e síndromes de origem cromossómica como a Síndrome de Down. É por isso recomendado que as mulheres com mais de 35 anos, façam exames pré-natais para diagnosticar possíveis problemas genéticos.

Entre os exames mais recomendados, encontram-se a amniocentese e a biópsia coriônica, que permitem detectar várias cromossomopatias e doenças hereditárias.

Nessas idades, existe também uma maior chance de aborto, com um aumento de mais de 10% das chances de aborto, em comparação com as mulheres mais jovens.

Para além de todos esses problemas, uma mulher com mais de 35 anos terá também um maior probabilidade de complicações durante a gravidez.

Possíveis complicações de uma gravidez tardia:

Diabetes gestacional

Existem duas vezes mais chances de uma mulher com mais de 35 anos desenvolver este tipo de diabetes.

Pressão arterial elevada

É mais frequente em mulheres a partir dos 35 anos e pode evoluir para pré-eclampsia, ameaçando tanto a saúde do feto como da mãe.

Placenta Prévia

É duas vezes mais frequente depois dos 30 anos e caracteriza-se pela implantação da placenta no colo do útero, o que pode obstruir o orifício do útero, dificultando ou impedindo o parto normal. Essa condição representa um perigo tanto para a mãe como para o bebê, pelo que a opção de cesariana é muitas vezes a solução.

Parto prematuro e nado morto

Após os 40, a probabilidade de nascimento prematuro aumenta em cerca de 40% e a chance do feto nascer morto aumenta para o dobro.

Casal com mais de 35 anos consultando especialista em fertilidade
Foto: Bigstock.com

Como reduzir os riscos de uma gravidez tardia?

  • Converse com o seu médico e faça um planejamento da sua gravidez. Essa é também uma boa altura para pedir um check-up e saber o estado geral de sua saúde.
  • Defina com seu médico um plano de acompanhamento da gravidez e inclua nesse plano a toma de suplementos pré-natais como vitaminas e ácido fólico, para prevenir malformações e doenças congênitas.
  • Verifique seu plano de vacinas e no caso de não ter imunidade contra o sarampo e rubéola, deve tomar a vacina pelo menos um mês antes de começar a tentar engravidar.
  • Verifique também se é imune à toxoplasmose. Tenha especial cuidado se tiver gatos em casa, pois se não for imune deverá evitar recolher seus dejetos, pois poderão estar contaminados.
  • Controle o seu peso e tenha uma alimentação equilibrada. Se tiver dificuldade em manter um peso normal, consulte um nutricionista.
  • Coma fruta, vegetais e leguminosas e evite pão branco e bolos.
  • Não coma alimentos mal cozinhados e retire o peixe cru e fumado do seu cardápio. Ainda no que toca ao peixe, evite os peixes ricos em mercúrio como o atum freso, a perca e o peixe-espada.
  • Reduza o consumo de café e pare de fumar.

E se o pai for mais velho?

Existem menos estudos sobre fertilidade masculina do que feminina, mas de um modo geral, a fertilidade masculina decresce com a idade, devido a uma menor produção de testosterona e à diminuição da qualidade do esperma.

Além disso, segundo um estudo publicado pela Sociedade Europeia de Reprodução e Embriologia, existe um maior risco de aborto quando a mulher tem mais de 35 e o homem mais de 40 anos.

Mas nem tudo são riscos

Apesar de todos esse alertas, uma gravidez tardia, tem boas chances de sucesso e com os avanços da medicina engravidar após os 35 ou mesmo 40 anos é cada vez mais comum. Por isso, considere a idade como um fator a ter em conta na gravidez, mas não um impedimento.

Além disso, quando a gravidez acontece mais tarde os pais tendem a ser pessoas mais maduras e com prioridades bem definidas, o que poderá contribuir de forma positiva para o desenvolvimento da criança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.