Gravidez de gêmeos: saiba o que esperar


Engravidar de gêmeos

As gestações múltiplas estão se tornando cada vez mais comuns, em parte devido ao avanço das técnicas de reprodução assistida, mas também devido ao fato de termos filhos cada vez mais tarde.
Se para alguns casais a ideia é um pouco assustadora, para outros poderá ser a concretização de um sonho.

Tudo depende da forma como encaramos essa possibilidade, mas uma gravidez de gêmeos pode ser tão tranquila como qualquer outra gravidez. Nesse artigo iremos falar acerca das características particulares desse tipo de gestações, dos fatores que as influenciam e dos riscos envolvidos nos casos de gravidez múltipla.

Quais são as chances de uma gravidez de gêmeos?

A chance de gêmeos numa gravidez natural é relativamente baixa e corresponde em média a cerca de 1% do total das gestações.

No entanto, a taxa de nascimentos de gêmeos tem vindo a subir, com 1,86% de partos múltiplos no Brasil no ano de 2010, segundo dados do IBGE e cerca 2,7% em Portugal no ano de 2007. Essa subida parece estar relacionada com o aumento da idade da primeira gravidez e o maior recurso a técnicas de reprodução assistida.

Que fatores contribuem para uma gravidez múltipla?

Um fator importante parece ser a genética, havendo algumas famílias em que as mulheres tem tendência a libertar mais óvulos por ciclo, contribuindo assim para uma maior frequência de gêmeos não-idênticos.

Os tratamentos de fertilidade também aumentam consideravelmente as chances de nascimento de gêmeos, uma vez que a maioria utiliza técnicas de estimulação ovariana, que causam a libertação de vários óvulos, aumentando assim as chances de ocorrer uma gestação múltipla.

Se a idade da mãe for superior a 30 anos as chances também aumentam, uma vez que a partir dessa idade o corpo da mulher produz mais hormônios que fazem com que seja liberado um maior número de óvulos em cada ciclo menstrual.

Vários relatos apontam ainda para uma maior ocorrência de gêmeos em mulheres que utilizaram a pílula anticoncepcional, durante um longo período de tempo.

Outro fator que também pode contribuir para gravidez de gêmeos é a altura da mulher, com 30% de chances de gêmeos nas mulheres de estatura mais elevada.

Gêmeos fraternos recém-nascidos
Foto: Bigstock.com

Gêmeos idênticos vs. Gêmeos fraternos

Em cerca de um terço das gestações de gêmeos, os bebês resultam da fecundação de um único óvulo que se subdivide, sendo por isso chamados de gêmeos monozigóticos, são também conhecidos como gêmeos idênticos ou univitelinos. Nesses casos, ambos os bebês possuem a mesma informação genética e são sempre do mesmo sexo, com características físicas muito semelhantes.

Se os bebês resultarem da fecundação de óvulos diferentes, o que ocorre em cerca de dois terços das gestações gemelares, são chamados de gêmeos fraternos ou não-idênticos. Nesse caso a informação genética é diferente entre os irmãos e podem ser de sexos diferentes, apresentando as semelhanças físicas normais entre irmãos nascidos separadamente.

A gravidez múltipla é uma gravidez de risco

A gestação de dois ou mais bebês é sempre considerada uma gestação de risco, pois os riscos para a mãe e para os bebês aumentam consideravelmente.

No caso da mãe, aumenta o risco de diabetes gestacional, pré-eclampsia. rompimento do colo uterino, que são quadros clínicos perigosos tanto para a mãe como para o bebê. Além disso, aumenta também o risco de aborto espontâneo e parto prematuro.

Já com os bebês existe um risco agravado de malformação e baixo peso, devido ao nascimento prematuro, o que contribui também para um maior risco de mortalidade dos bebês.

Aumenta o risco de parto prematuro

Considera-se parto prematuro sempre que os bebês nascem antes das 37 semanas, o que nas gestações de gêmeos é muito frequente, com 70% dos nascimentos ocorrendo antes das 38 semanas e mais de 50% antes das 36 semanas de gestação. No caso de gestações com três ou mais bebês o nascimento prematuro ronda os 100%.

Nesses casos, tanto os bebês prematuros, como as mães necessitam de cuidados especializados, sendo por isso importante que maternidade disponha de uma Unidade de Terapia Intensiva neonatal.

Como diminuir os riscos?

Na verdade, os principais riscos decorrem do fato de ser uma gravidez múltipla e não de algo que tenha a ver com o comportamento da mãe.

No entanto, um cuidado redobrado com a alimentação poderá ser importante quando se está grávida de gêmeos. Tem sido demonstrado que um ganho de peso até às 20 semanas pode diminuir as chances de nascimento prematuro e baixo peso dos bebês.

Além disso, quanto mais cedo for detectada a gravidez de gêmeos, melhor o médico poderá ajudar a prevenir possíveis problemas. Por isso é importante que a gravidez tenha um seguimento médico adequado e que a grávida esteja informada sobre os problemas mais comuns, como a pré-eclampsia e os sintomas que antecedem um parto prematuro.

A Cesariana é sempre necessária?

No caso de gêmeos é possível o parto natural, mas isso vai depender da posição em que se encontram os bebês. Se pelo menos um dos bebês estiver de cabeça para baixo (a posição ideal), é possível fazer o parto normal, mas mesmo assim pode ser necessário fazer nascer o segundo bebê por meio de cesariana, uma vez que as contrações do útero podem não ser suficientes para expulsar o segundo bebê.

Nos casos em que nenhum dos bebês está de cabeça para baixo e nas gestações com mais de dois bebês, o procedimento recomendado é sempre a cesariana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.