Parto por fórceps ou ventosa


Parto assistido por fórceps ou ventosa

Quando as contrações do parto não são suficientemente fortes para expulsar o bebê, o obstetra poderá optar por fazer um parto assistido, utilizando para isso o fórceps ou, em alternativa, uma ventosa ligada a uma bomba de vácuo.

Quando é aconselhável um parto a fórceps ou ventosa?

  • Quando o bebê está em sofrimento, durante o período expulsivo.
  • Quando as contrações e a força feita pela mãe não são suficientes para fazer o bebê descer pela bacia.
  • Quando o bebê se apresenta numa posição desfavorável (sentado ou de lado).
  • Quando a mãe está exausta ou está contraindicado fazer esforço prolongado.

Convém lembrar que nesses casos existe também a opção de fazer uma cesariana, o que poderá ser discutido com o seu médico.

Parto por fórceps

O fórceps é um instrumento de metal composto por duas colheres que formam uma pinça. Cada metade possui uma curvatura que encaixa à volta da cabeça do bebê, de forma a que este possa ser puxado para fora.

Conforme os casos, poderão ser usados fórceps de tipos diferentes. Por exemplo, no caso do bebê estar na posição errada, existem fórceps especialmente desenhados para ajudar a virar o bebê e colocá-lo na posição correta.

Parto por ventosa

A ventosa, também chamada de vácuo extrator tem a forma de uma taça e encaixa na cabeça do bebê, podendo ser feita de um material rígido ou maleável. A ventosa é ligada por meio de um tubo a uma bomba de vácuo, que irá criar a força de sucção necessária para manter a ventosa fixa na cabeça do bebê. Com a ventosa fixa, o médico pode então puxar o bebê, ajudando a mãe na expulsão.

O uso da ventosa ou fórceps tem riscos?

No caso do fórceps, existe o risco de machucar tanto a mãe como o bebê. No entanto, as lesões graves são raras.

Riscos para a mãe:

  • Dor ou ferimento do períneo (o tecido entre a vagina e anus).
  • Lacerações na área genital.
  • Incontinência temporária (urinária e fecal).
  • Rotura uterina.
  • Ferimentos na bexiga e uretra.

Riscos para o bebê:

  • pequenos ferimentos na cara devido à pressão do fórceps
  • Paralisia facial temporária.
  • Trauma ocular.
  • Fratura do crânio.
  • Convulsões.

Apesar de existirem esses riscos, o mais frequente é o bebê apresentar apenas algumas marcas na cara devido à pressão exercida pelo fórceps. No entanto essas marcas são temporárias e desaparecem rapidamente.

No caso da ventosa, existem menos riscos de ferimentos para a mãe e para o bebê, sendo normalmente a deformação temporária da cabeça, que fica com uma forma cônica devido à força do vácuo, o único inconveniente para o bebê. Porém, o uso da ventosa está limitado a bebês com mais de 34 semanas, pois antes disso a cabeça é demasiado maleável.

Quanto tempo demora a recuperação?

O tempo de recuperação no hospital dura entre dois a três dias, o mesmo que para um parto vaginal não assistido.

O resto da recuperação é feita em casa e varia de pessoa para pessoa. O tempo de recuperação também depende das lesões ocorridas durante o parto. Por exemplo, se houver rotura do períneo durante o parto, ou se o seu médico fizer uma episiotomia (incisão na área do períneo para aumentar o espaço disponível para a passagem para o bebê), o tempo de recuperação poderá ser um pouco mais longo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.