Refluxo infantil: como tratar?


O refluxo gastroesofágico infantil, também conhecido como “golfar” ou “bolçar” é um problema muito comum e atinge mais de 50% dos bebês com menos três meses de idade.

Embora na maioria das situações o refluxo no bebê seja apenas incômodo, é importante saber como lidar com os episódios de refluxo e distingui-los de outros tipos de refluxo potencialmente mais graves. Por isso, preparamos para você essa matéria que aborda as causas do refluxo infantil, suas possíveis complicações e algumas dicas para diminuir a frequência e intensidade das crises de refluxo.

O que causa o refluxo?

O refluxo, que consiste na regurgitação de uma parte do leite ingerido durante a mamada, acontece devido à imaturidade da musculatura que ajuda a manter os alimentos no estômago, fazendo com que uma parte do alimento ingerido suba pelo esôfago, sendo depois “cuspido” pelo bebê.

Apesar de poder ser frustrante para os pais, pois dificulta a alimentação, o refluxo é um problema que geralmente se resolve por si próprio, pois à medida que o bebê cresce a válvula que separa o estômago do esôfago vai ganhando maior resistência até começar a funcionar da forma correta, ou seja, abrindo para deixar entrar os alimentos e fechando em seguida para mantê-los dentro do estômago.

A frequência do refluxo varia bastante de bebê para bebê, podendo surgir apenas esporadicamente ou acontecer na maior parte das mamadas, podendo chegar a haver mais de seis episódios de refluxo por dia. Porém, apesar de uma maior frequência dos episódios não ser necessariamente indicativa de um problema mais grave, a mesma deve ser comunicada ao médico para despistar a possibilidade de Doença do Refluxo Gastroesofágico.

Refluxo Infantil vs Doença do Refluxo Gastroesofágico

Um pequeno número de bebês (entre 5% e 8%) pode desenvolver uma forma mais grave e persistente de refluxo, chamada de Doença do Refluxo Gastroesofágico, que pode interferir de uma forma mais significativa na alimentação, impedindo o bebê de ganhar peso e causando desconforto após as mamadas devido à acidez do suco gástrico proveniente do estômago.

A Doença do Refluxo Gastroesofágico pode ser difícil de distinguir do Refluxo Infantil, pelo que deverá estar alerta aos sinais e contatar o seu médico se:

  • O bebê não ganha peso

  • O refluxo é muito frequente

  • O bebê vomita após a mamada, projetando o conteúdo do estômago, em vez de simplesmente cuspir.

  • Recusa ser alimentado ou mostra-se irritado durante a mamada, chorando ou contorcendo-se.

  • Tem dificuldade em respirar

  • Aparente ter dores de estômago

Apesar de ser tratável com medicação adequada, a Doença do Refluxo Gastroesofágico pode persistir durante a infância e adolescência, causando problemas de crescimento ou facilitando o aparecimento de problemas respiratórios como a asma, pelo que o acompanhamento médico é fundamental nestes casos.

O refluxo pode ser sinal de alergia ao leite?

Sim, em alguns casos o bebê pode apresentar refluxo ou vômitos devido a intolerância à lactose. Por isso, se suspeitar que o seu bebê está desenvolvendo uma alergia ao leite, poderá tentar as seguintes dicas:

  • Se estiver amamentando: elimine da sua dieta os produtos lácteos ou opte por produtos sem lactose.

  • Se alimentar o bebê com mamadeira: peça ao seu médico para substituir o leite de fórmula que usa normalmente por leite de fórmula hipoalergênico.

Deverá também consultar o seu médico para que ele possa monitorar a dieta do bebê e recomendar a melhor forma para contornar o problema.

Dicas para diminuir o refluxo após as mamadas

Existem várias formas de reduzir o refluxo durante e após as mamadas, pelo que você poderá tentar algumas dessas dicas:

  • Segure o bebê numa posição vertical, durante cerca de meia hora, após a mamada.

  • Evite embalar o bebê logo após a mamada, pois o movimento poderá facilitar o refluxo.

  • Se usa mamadeira, alimente o seu bebê de forma mais frequente, mas em menores quantidades.

  • Faça pausas mais frequentes durante as mamadas e ajude o seu bebê a arrotar.

Se o seu bebê tiver refluxo mais persistente, fale com o seu médico acerca da possibilidade de misturar espessante no leite ou optar por leite de fórmula anti-refluxo.

Nos casos mais graves, como a Doença de Refluxo Gastroesofágico, poderá também ser considerado o tratamento com anti-ácidos.

Quanto tempo dura o Refluxo Infantil?

O refluxo infantil tende a ser mais intenso nos primeiros três meses de vida, desaparecendo gradualmente durante o primeiro ano de vida.

Por isso, a maior parte dos bebês com mais de 10 meses já não apresenta sintomas de refluxo e é pouco frequente que este se mantenha depois de um ano e meio, exceto nos casos de Doença do Refluxo Gastroesofágico.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Reddit

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *