Engravidar amamentando

“Posso engravidar amamentando?” é, sem dúvida, uma pergunta que muitas mães já terão feito, especialmente após a primeira gravidez. Os motivos para esta pergunta serão diferentes de pessoa para pessoa, mas a resposta, como seria de esperar, é obviamente, “sim”.

Porém, não é algo assim tão linear, pois existem fatores que podem influenciar a ocorrência de uma gravidez durante o período de amamentação.

Por isso, compreender a forma como o aleitamento influencia a fertilidade é muito importante, quer você esteja tentando engravidar novamente, quer pretenda reduzir as chances de uma gravidez indesejada.

Amamentação e ovulação: o que acontece?

Durante a amamentação pode ocorrer um fenômeno chamado amenorréia lactacional ou amenorréia da lactação, que se traduz na ausência de ciclo menstrual durante o tempo de amamentação.

No entanto, a ocorrência da amenorréia depende da frequência das mamadas, sendo necessário que o bebê mame, pelo menos de 6 em 6 horas e que não haja substituição do leite materno por fórmula em nenhuma mamada, pois é a estimulação contínua que vai permitir a supressão do ciclo menstrual.

Por isso, se você amamentar de forma exclusiva, as chances de que a amenorréia permaneça até que você deixe de amamentar são grandes, mas não há uma garantia absoluta pois a duração da supressão do ciclo menstrual pode variar de pessoa para pessoa.

Amenorréia lactacional e introdução de alimentos

Após os primeiros 6 meses de amamentação, com a introdução de alimentos sólidos e a consequente diminuição da frequência das mamadas, há uma tendência para que a amenorréia lactacional chegue ao fim, podendo o ciclo menstrual voltar a qualquer momento.

Porém, se a introdução de alimentos for feita mais cedo e houver diminuição da frequência das mamadas, a amenorréia lactacional poderá igualmente cessar.

Amamentação e gravidez: como engravidar amamentando

Amamentação e gravidez
Foto: Adobe Stock

Se você está tentando engravidar novamente, poderá tentar substituir progressivamente o leite materno por leite de fórmula, de forma a que o ciclo menstrual volte mais rapidamente. No entanto, esta decisão deve ser discutida com o pediatra, pois as necessidades nutricionais variam de bebê para bebê.

Porém, não deve alterar a frequência das mamadas com o objetivo de acelerar o retorno da menstruação, pois poderá desequilibrar a dieta do bebê e prejudicar o seu desenvolvimento. A alteração das mamadas será feita progressivamente à medida que o seu bebê começar a comer novos alimentos, devendo ser acompanhada pelo pediatra.

No entanto, para quem opta pela amamentação exclusiva a solução é mesmo esperar pelo retorno espontâneo do ciclo menstrual.

Como evitar a gravidez durante a amamentação

Como evitar a gravidez durante a amamentação
Foto: Adobe Stock

Além da abstinência sexual, cujo resultado é 100% fiável mas difícil de pôr em prática, existem vários métodos anticoncepcionais bastante eficazes que podem ser usados durante a amamentação para evitar uma nova gravidez:

<

Métodos contraceptivos não hormonais

Os métodos contraceptivos não hormonais atuam como barreiras físicas que impedem o contacto entre os espermatozóides e o óvulo, evitando assim o início de uma nova gravidez:

  • Dispositivo Intrauterino (DIU) – É um dos métodos contraceptivos não hormonais mais eficazes, com uma taxa de sucesso de cerca de 99,9%.
  • Camisinha (feminina e masculina) – São bastante eficazes na prevenção da gravidez, e têm a vantagem de proteger contra doenças sexualmente transmissíveis, mas apresentam uma taxa de sucesso menor (80 – 92%).
  • Diafragma – Tem uma eficácia igual à das camisinhas, mas não protege contra DSTs.

Método da amenorréia lactacional ou contracepção LAM

Nos primeiros meses após o nascimento do bebê, a supressão natural da ovulação pode ser utilizada como método contraceptivo (método da amenorréia lactacional ou contracepção LAM),

Este método é eficaz até aos 6 meses de idade em regime de amamentação exclusiva, e tem uma taxa de sucesso de aproximadamente 98%, o que o torna um método contraceptivo bastante eficaz, apesar da duração limitada.

No entanto, a partir dos 6 meses com o espaçamento das mamadas, devido à introdução de alimentos sólidos, este método deixa de ser fiável, devendo ser abandonado em favor de métodos mais eficazes.

Métodos contraceptivos hormonais

Os métodos contraceptivos hormonais indicados para o período de lactação são a minipílula e a injeção anticoncepcional trimestral:

  • Minipílula – Tal como a pílula convencional, a minipílula inibe a ovulação, mas ao contrário desta, pode ser tomada durante a amamentação, pois contém apenas progesterona e não apresenta riscos para o bebê. Se for tomada corretamente, a minipílula tem uma taxa de sucesso de aproximadamente 99%, além de apresentar menos riscos para a mulher, nomeadamente no que toca à redução do risco de AVC.
  • Injeção anticoncepcional trimestral – Tal como a minipílula, o modo de atuação da injeção é a inibição hormonal da ovulação. Tem uma taxa de sucesso de 99%.

Em resumo

A lactação pode condicionar uma nova gravidez, devido à ocorrência da amenorréia lactacional, mas o simples fato de estar amamentando não significa que seja impossível engravidar, pelo que é necessário tomar medidas preventivas caso pretenda evitar uma nova gravidez, especialmente a partir dos 6 meses ou logo que introduzir alimentos sólidos na dieta do bebê.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Reddit

2 comentários em “Engravidar amamentando

  • 12 de dezembro de 2016 em 13:53
    Permalink

    Posso tomar a injeção Cyclofemina amamentando? Tentei achar sobre isso já nesse site http://cyclofemina.com.br/ mas não encontrei sobre. Agradeço desde já!

    Resposta
    • 12 de dezembro de 2016 em 16:44
      Permalink

      Olá, Luana

      Segundo a bula disponível no site, o uso de Cyclofemina não é recomendado durante o aleitamento, por diminuir a produção de leite. Aconselhamos que fale com o seu médico acerca de possíveis alternativas.
      Para mais informação, pode baixar a bula no botão “baixar bula” na secção “pacientes” do site da Cyclofemina.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *