Hiperêmese gravídica


O enjoo na gravidez  é um sintoma normal, que não traz consequências de maior, com a exceção de algum incômodo e mal-estar transitórios. No entanto, quando as crises de vômito se tornam tão frequentes ao ponto da gestante perder peso e ficar desidratada, o mais provável é tratar-se de hiperêmese gravídica.

O que é Hiperêmese Gravídica?

A hiperêmese gravídica caracteriza-se por um quadro de vômitos persistente que conduz à desidratação, perda de peso e desequilíbrio electrolítico. Este ocorre geralmente antes das 20 semanas de gravidez.

As chances de ocorrência deste quadro clínico situam-se entre os 0,3 e os 2,3%, sendo mais frequente na primeira gravidez e nos casos de gravidez de gêmeos.

Além da desidratação grave e perda de peso, que pode chegar aos 10% nos casos mais graves, podem também ocorrer défices nutricionais, uma vez que a maior parte dos alimentos ingeridos não chega a ser absorvida, devido à frequência excessiva dos vômitos.

Se não for devidamente diagnosticada e controlada, a hiperêmese gravídica pode colocar em risco tanto a saúde da mãe como do feto.

Como reconhecer os sintomas da hiperêmese gravídica

Enjoo gravidez
Foto: Bigstock.com

Uma vez que a hiperêmese gravídica pode afetar significativamente a saúde da gestante e do bebê, é importante prestar atenção aos sinais de alerta mais comuns, procurando ajuda médica no caso de ocorrência de um ou mais dos seguintes sintomas:

  • Vômitos e náusea persistentes
  • Perda de peso
  • Desidratação
  • Produção excessiva de saliva
  • Sensação de fraqueza
  • Tontura ou dor de cabeça
  • Prisão de ventre
  • Pressão arterial baixa
  • Pulsação elevada

Diagnóstico da hiperêmese

Entre outros procedimentos,  poderá ser recomendada a realização de exames complementares como análises de sangue e níveis de eletrólitos para determinar o nível de desidratação ou ainda a realização de uma ultrassonografia para detectar uma possível gestação múltipla.

Dependendo do nível de desidratação, o tratamento poderá ser feito em regime de internamento hospitalar até que os sintomas desapareçam. No entanto, em boa parte dos casos o tratamento pode ser realizado em regime ambulatório, permitindo à gestante regressar a casa após os tratamentos.

Causas da hiperêmese gravídica

Tal como no caso do enjoo, as causas da hiperêmese não são totalmente conhecidas. Suspeita-se, no entanto, de uma relação com os níveis da Gonadatrofina Coriônica Humana (hCG) e Estrogênio, que poderão causar o aumento da frequência das náuseas.

Riscos da hiperêmese gravídica

Se o tratamento da hiperêmese for feito corretamente, os riscos para a saúde da mãe são mínimos. No entanto, nos casos em que o tratamento é inadequado poderá haver, entre outros, o risco de anemia, falha renal e subnutrição.

Além dos riscos para a saúde da mãe, existe um risco elevado de parto prematuro e baixo à nascença nos bebês cujas mães sofram de hiperêmese.

Tratamento da hiperêmese gravídica

O tratamento da hiperêmese gravídica é feito com antieméticos e reposição de fluídos, que nos casos mais severos poderá ser feita através da administração de soro, no hospital.

Quando é possível o tratamento em casa, as recomendações são semelhantes aos casos de enjoo matinal:

  • Ingestão de líquidos
  • Aumento da frequência das refeições, distribuindo-as ao longo do dia e optando por ingerir pequenas quantidades em cada refeição.
  • Exercícios de relaxamento para alívio da náusea
  • Em alguns casos, poderá ser aconselhada a suplementação de vitamina B6, que tem um efeito positivo no controle da náusea

Prognóstico da hiperêmese gravídica

Com o devido acompanhamento médico, o prognóstico da hiperêmese gravídica é geralmente positivo. Normalmente, ocorre uma diminuição progressiva dos sintomas, tendendo os memos a desaparecer completamente por volta das 16 semanas. Embora em alguns casos a náusea possa persistir até ao final da gravidez, as complicações são extremamente raras.

Em resumo

A hiperêmese gravídica é uma complicação do enjoo característico da gravidez. Define-se por vômitos persistentes, perda de peso e desidratação, que podem afetar negativamente a saúde da gestante e do feto.

No entanto, com o devido acompanhamento médico as complicações resultantes da hiperêmese gravídica são raras.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Reddit

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *